O cuidado baseado em valor e a gestão dos Serviços de Saúde - REDE MATER DEI DE SAÚDE
Sobre o Mater Dei » Fique por dentro » Notícias Institucionais » O cuidado baseado em valor e a gestão dos Serviços de Saúde

O cuidado baseado em valor e a gestão dos Serviços de Saúde

No Brasil os dilemas na área da saúde que despontam no horizonte das próximas décadas vão exigir um crescente profissionalismo e a quebra de paradigmas a fim de que tenhamos sistemas auto-sustentados e longevos.

Cada vez mais iremos conviver com a chamada tripla carga de doenças. E todas elas necessitando de um acesso a Serviços de saúde e uma medicina mais resolutiva e exercida de maneira integrada no âmbito das entidades prestadoras de serviços.

Algumas destas doenças têm relação com o maior envelhecimento da população. As pessoas irão viver mais e, com isto, recorrerão com maior frequência a estruturas para cuidar de sua saúde.

Assim, espera-se que as chamadas doenças crônico-degenerativas, tais como a diabetes, a hipertensão arterial ou as cardiopatias e que estão associadas ao envelhecimento, aumentem significativamente.

Da mesma maneira, as doenças infecciosas que tinham praticamente sido erradicadas voltam a incidir na população brasileira com frequência cada vez maior, requerendo também melhores e mais assertivos serviços de saúde.

Exemplos destas doenças são as causadas pelo vetor Aedes Aegypti, a sífilis e a tuberculose.

As doenças decorrentes da violência requerem tratamentos especializados e cada vez mais complexos. Sejam as ocasionadas pelos acidentes de trânsito ou pelas agressões e pelo estilo urbano de vida, todas elas geram uma maior utilização de hospitais e estruturas articuladas de atendimento e atenção.

O Brasil já gasta atualmente 9% de seu PIB (Produto Interno Bruto) com saúde. Destes, aproximadamente 55% vem do sistema privado. Incluindo aí os gastos com hospitais, médicos, planos de saúde e medicamentos.

Em decorrência da crise econômica instalada em nosso país, o mercado de pessoas que têm planos de saúde encolheu 2,5 milhões de usuários nos últimos dois anos. Com isto o volume de recursos à disposição do setor privado para pagar médicos, hospitais e os gastos administrativos das Operadoras de planos de saúde também estão diminuindo.

Temos, de um lado, uma perspectiva de maior utilização de hospitais e médicos (pela mudança do perfil das doenças) e do outro um menor volume de recursos disponíveis.

Vale lembrar que hospitais são empresas que necessitam de capital intensivo para estarem atualizados e para que possam oferecer tratamentos e apoio à terapêutica com segurança e qualidade. O investimento na capacitação dos profissionais, os programas de certificação que reforçam a qualidade e a segurança assistenciais e a incorporação tecnológica são alguns exemplos do quanto os hospitais precisam estar permanentemente investindo recursos financeiros ano após ano.

Por isso, no próximo dia 8/6 a REDE MATER DEI DE SAÚDE realizará o 8º Seminário de Gestão em Saúde. Serão discutidos temas da mais alta relevância, dada a complexidade que envolve este campo da gestão, mas em particular pelo momento atual em que o mundo discute novos caminhos para enfrentar os desafios que praticamente todas as nações enfrentam para lidar com algumas mudanças no perfil das doenças que acometem homens e mulheres no mundo contemporâneo.

Esta é a razão pela qual a gestão profissional na área da saúde se faz tão necessária e, ao mesmo tempo, ser uma das mais complexas.

É cada vez mais importante que façamos um investimento em estruturas que possibilitem que o usuário tenha o melhor desfecho assistencial e que saia do sistema melhor do que entrou, que tenha a melhor experiência em termos de satisfação quando utilizar estes serviços e que haja também uma prestação de serviços focada no melhor custo-benefício dos recursos financeiros alocados.

E assim diminuindo os desperdícios e os custos desnecessários.

Não está longe o tempo em que o paciente poderá ter acesso a um prontuário eletrônico em que seus exames, anotações médicas e demais informações vão estar disponíveis de maneira integrada, permitindo abordagens assistenciais mais efetivas e articuladas. Tudo em benefício do próprio paciente e da efetividade do sistema de saúde.

Eu tenho a plena convicção de que estamos entrando em uma nova fase na prática médico-hospitalar e também nas relações entre as diversas partes interessadas que compõem a cadeia de saúde.

Da mesma maneira que vivemos no passado a onda da “medicina baseada em evidências”, hoje amplamente incorporada pelos melhores centros, vamos viver em breve a época da prática do “cuidado médico e hospitalar baseado em valor”.

Para esta nova fase as instituições e profissionais vão precisar se reciclar.  

Henrique Moraes Salvador Silva
Presidente da Rede Mater Dei de Saúde



Publicado em: 07/06/2017

Posts Relacionados

12 Novembro 2021

Infertilidade Masculina: Principais...

O desejo da maternidade e paternidade está presente em muitos homens e mulheres, no entanto, segundo dados estatísticos da Organização Mundial de Saúde (OMS) a infertilidade está presente em 50 a 80 milhões de pessoas no mundo. Tentativas sem sucesso de...
11 Novembro 2021

Tecnologia e inovação: Rede Mater Dei...

Com a Campanha Outubro Rosa, o debate sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama, que aumenta em até 90% a chance de cura da doença, ganhou força nos últimos dias. Para garantir um diagnóstico ainda mais preciso e seguro, a Rede Mater Dei de...
08 Novembro 2021

Saiba quais são os principais tipos de...

Estes também são os tipos de câncer mais comum na população masculina, que tem muitos casos agravados devido à negligência na procura por ajuda médica e tratamento precoce, além de preconceitos comuns do sexo masculino. Conheça os tipos de câncer mais...