Mitos na Reprodução Humana - REDE MATER DEI DE SAÚDE

Mitos na Reprodução Humana

Todo casal que tem relação no período fértil engravida? O uso prolongado da pílula contraceptiva causa infertilidade? Estar acima do peso interfere nas chances de engravidar? Muitos são as dúvidas sobre a gravidez e as causas que podem gerar a infertilidade. 
 
A médica do Centro de Reprodução Humana da Rede Mater Dei de Saúde, Ana Márcia de Miranda Cota, explica um pouco mais sobre o assunto.

Agende sua consulta: 3339-9495
 
Pergunta: Todo casal que tem relação sexual no período fértil engravida?
Resposta: Não. A chance de um casal completamente saudável, que tenha relações sexuais no período fértil, engravidar em um ciclo menstrual é em torno de 20%. Mesmo que todos os fatores relacionados à gravidez (ovários, hormônios, trompas uterinas, útero e espermatozóides) estejam normais, a chance de engravidar em um mês é de 20%, ou seja, dois em cada 10 casais irão engravidar em um mês e oito não. Após um ano de tentativas, cerca de 85% dos casais engravidarão. Essas estatísticas se referem às mulheres com menos de 35 anos. Após os 35 anos, a chance de gravidez vai diminuindo progressivamente, podendo chegar a menos que 5% ao mês para as mulheres acima dos 42 anos.

Pergunta: Para engravidar, preciso ter relação sexual todos os dias?
Resposta: Não. Os espermatozoides sobrevivem no organismo da mulher cerca de 36 a 72 horas. Portanto, se tiver relações sexuais em dias alternados durante o período fértil já é o suficiente para se engravidar.

Pergunta: O uso prolongado da pílula contraceptiva causa infertilidade?
Resposta: Não. A pílula contraceptiva não interfere na fertilidade. Uma vez suspensa, já no próximo ciclo menstrual a mulher já pode engravidar. Um efeito positivo da pílula sobre a fertilidade é que o seu uso previne o aparecimento de cistos ovarianos.

Pergunta: O uso da pílula do dia seguinte pode causar infertilidade?
Resposta: Não. O uso da pílula do dia seguinte é indicado para situações esporádicas, não ocasionando nenhuma interferência no futuro reprodutivo da mulher. Não é um método contraceptivo para ser usado de forma rotineira e sim esporadicamente, em algumas situações.

Pergunta: Após a relação sexual tenho que ficar com as pernas para cima para aumentar a chance de engravidar? A posição na hora da relação sexual interfere na chance de engravidar?
Resposta: Não há nenhuma posição na relação sexual que melhore ou diminua as chances de gravidez. O fato de ficar com as pernas elevadas, após a relação sexual, não aumenta a possibilidade de gravidez.

Pergunta: Mulheres que têm a síndrome dos ovários policísticos não engravidam?
Resposta: A síndrome dos ovários polimicrocísticos é uma das alterações endócrinas mais comuns nas mulheres. Na síndrome dos ovários polimicrocísticos há um quadro de anovulação, ou seja, a mulher não ovula. Com isso, há uma redução na chance de engravidar. Por isso, as mulheres com a síndrome dos ovários polimicrocísticos apresentam mais dificuldade para engravidar. Mas, por ano, essa mulher pode teralgumas ovulações esporádicas, cerca de três por a cada ano, podendo engravidar espontaneamente. As mulheres com os ovários polimicrocísticos, que desejam engravidar, devem procurar um atendimento especializado para orientações e tratamento. E, aquelas que não desejam engravidar, devem fazer uso de um contraceptivo hormonal para evitar a gravidez e regularizar o ciclo menstrual.

Pergunta: Os problemas de infertilidade atingem mais as mulheres do que os homens?
Resposta: Não. Das causas de infertilidade, cerca de 30% são de causa feminina, 30% de causa masculina, 20% são de causas associadas e 20% não se identifica uma causa aparente.

Pergunta: O uso de bebidas alcoólicas, cigarros e drogas ilícitas interferem nas chances de engravidar?
Resposta: Sim. Estudos evidenciam que o tabagismo e o uso de drogas ilícitas podem interferir tanto na fertilidade feminina quanto na masculina.

Pergunta: Estar acima do peso interfere nas chances de engravidar?
Resposta: Sim. O sobrepeso e a obesidade podem levar a alterações hormonais que podem influenciar na ovulação, levando a uma dificuldade para engravidar.

Pergunta: Quem já teve um aborto, tem mais dificuldade para engravidar?
Resposta: Não. Cerca de 15% das gravidezes evoluem para um abortamento, sendo esse abortamento esporádico e ao acaso, sem nenhum prejuízo para uma gravidez no futuro. No entanto, cerca de 1 a 2% da população apresentam abortamento ou perdas gestacionais de repetição. Isso é definido com mais de dois a três abortamentos consecutivos. Nesses casos, exames especializados e direcionados devem ser realizados para se procurar uma causa para que seja tratada.

Pergunta: Quando o homem já tem um filho, não é necessário fazer o exame do espermograma?
Resposta: Não. Mesmo que o homem já tenha um filho e esteja tentando engravidar há um ano, sem sucesso, é necessário realizar o espermograma, para investigar a quantidade, motilidade e forma dos espermatozóides. Algumas alterações no espermograma são adquiridas e progressivas, sendo necessário, portanto, a sua investigação para todo casal infértil.




Responsável: 
Ana Márcia de Miranda Cota
Ginecologia e obstetrícia
CRM-MG 35386

Publicado em: 14/08/2019

Este conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado pelo feedback. Sua opinião nos ajuda a criar um site melhor a cada dia.

Este post é sobre Maternidade

Posts Relacionados

29 Julho 2021

Você sabia que mulheres praticantes de...

De acordo com especialistas, há alguns problemas comuns que podem ser sanados ou minimizados com ajuda médica, como irregularidades no ciclo menstrual e incontinência urinária atlética.
22 Julho 2021

Gravidez e acretismo placentário,...

A placenta é a responsável pelo fornecimento dos nutrientes e oxigênio para o bebê durante toda a gravidez. Normalmente, a placenta se fixa à parede do útero e é expulsa do corpo da mãe entre 10 e 30 minutos após o nascimento.
21 Julho 2021

Excelência e Cuidado: Somos uma das...

Há 41 anos, a Rede Mater Dei de Saúde mantém e reforça o seu compromisso com a qualidade pela vida. Esse cuidado começa dentro da instituição com nossos colaboradores e membros do corpo clínico e dessa forma transcende aos nossos pacientes.