Lições aprendidas - Dr. José Salvador Silva - REDE MATER DEI DE SAÚDE
Sobre o Mater Dei » Fique por dentro » Notícias Institucionais » 13 lições que o Hospital Mater Dei, nossos pacientes e nossos funcionários me ensinaram

13 lições que o Hospital Mater Dei, nossos pacientes e nossos funcionários me ensinaram

Confira o texto escrito por José Salvador Silva, fundador do Hospital e presidente do Conselho de Administração da Rede Mater Dei de Saúde. O texto foi veiculado na Revista Matéria Prima, de Janeiro de 2018 (Número 97 | Ano IX).

"Quero confessar a minha grande emoção, em 17 de outubro do ano passado, ao ser agraciado com a comenda da Ordem de Mérito Empresarial Juscelino Kubistchek, a maior condecoração concedida pela Associação Comercial de Minas. Em minha fala de agradecimento, entre outros temas, enumerei os principais ensinamentos que a vida me proporcionou ao longo dos quase 40 anos como fundador do Hospital Mater Dei.

São os seguintes:
1º - Produtividade, inovação e superação são estímulos para o sucesso.

2º - Histórias de sucesso inspiram e estimulam. Histórias de fracasso ensinam.

3º - Nenhuma empresa deve ser somente um local de trabalho insensível, frio, mas uma extensão social, cultural e familiar. Deve ser um veículo para estimular seus participantes a evoluírem, crescerem e se realizarem como seres humanos. Uma empresa não é somente o prédio que abriga sua sede, sua logomarca, seu patrimônio tangível, sua tradição ou ações na Bolsa. Empresa modelo é também e, principalmente, um conjunto de pessoas, desejos, ideais, sonhos e metas. Crendo e praticando isso, criaremos um ambiente saudável, agradável, alegre estimulante e sustentável.

4º - A época mais perigosa e temerária de uma empresa é quando estamos acomodados e impassíveis, em consequência ou diante de viver uma boa situação financeira.

5º - A empresa que vai bem e tem bons resultados, sendo duradoura, é aquela que suspeita que poderia ir mal. É a que percebe que corre riscos diante da acomodação e busca melhorias contínuas para evitar a decadência e o fracasso.

6º - Charles Darwin descobriu, comprovou e sentenciou: “não é o mais forte da espécie que sobrevive, nem o mais inteligente, mas, sobretudo, aquele mais flexível que responde melhor e se adapta melhor às mudanças. Repito: o mais flexível é o que sobrevive. Este conceito é atual, verdadeiro, válido também para as empresas.

7º - Se os líderes das organizações errarem ou fracassarem ao recrutar novos e bons profissionais, nenhuma estratégia, nem com a ajuda dos melhores consultores, poderá salvar a empresa da mediocridade e derrocada final. Ao contratar alguém, busque competência, integridade, inteligência, lealdade, energia, atitude, ética e paixão. Contrate valores, depois treine habilidades.

8º - Acrescente a tua sabedoria ao teu projeto de vida, que inclui uma semente de idealismo, sonho e um pouco de “loucura”. É necessário estar atento para compartilhar, nas empresas, nossos sonhos, metas, vitórias, mas também nossas falhas e fracassos. Segundo Luciano de Crescenso, “somos todos anjos com uma só asa e somente poderemos voar quando abraçados uns aos outros”. É nas crises, ameaças e dificuldades que estas máximas se tornam mais necessárias e carentes.

9º - A gestão profissional não é problema impossível de se solucionar. Podemos buscar e encontraremos certamente competência no mercado e nos head hunters. Entretanto, embora demorado, difícil e trabalhoso, é muito importante descobrir, formar e desenvolver novos talentos, lideranças e competências dentro das próprias empresas e famílias.

10º - Todos os pais enviam seus filhos para as escolas. Todos. Mas poucos ensinam seus filhos a trabalhar. Minha esposa Norma e eu pertencemos a essa minoria.

11º - No Mater Dei, a sucessão da primeira para a segunda geração foi feita de maneira previsível, preventiva, programada, harmônica e ética, a partir de aprendizado e longa convivência entre mim – que sou o fundador- e os nossos três filhos que fizeram a opção livre e espontânea de atuar no Mater Dei: Henrique, Maria Norma e Márcia e que assumiram posteriormente a direção no dia 30 de abril de 2012. Parabenizo a todos eles pela competência, atitude, integridade, ética, dedicação, trabalho e sucesso comprovados neste período. Ouso afirmar que, dificilmente outros desenvolveriam melhor trabalho. Neste momento é necessário relembrar uma dramática estatística: somente 10% de todas as empresas, principalmente as familiares, sobrevivem à terceira geração; 90% destas entram em declínio, fracassam, entram em falência, desaparecem. Esta estatística, repito, é dramática, verdadeira, comovente e dolorosa.

12º - Nosso processo sucessório para a terceira geração foi realizada com o auxílio da Fundação Dom Cabral e da professora Elismar Álvares, indicada na época pelo prof. Emerson de Almeida, então presidente da FDC. Feito no momento certo e com o devido registro em cartório em 1998 é exemplo de planejamento adequado, com êxito e serve como atestado de que o desejável e o necessário é também possível de ser realizado e com novas estratégias. Nosso neto José Henrique, filho do Henrique e Nora, que atua com muito sucesso e competência como diretor operacional na Unidade Contorno, fez MBA na Universidade de Columbia, em Nova York durante dois anos. Felipe, filho da Maria Norma e Afonso; Renata, filha do Renato e Tânia, fazem, atualmente MBA, respectivamente em Londres e Boston. Lara, filha da Márcia e Flávio, estuda medicina e vai futuramente seguir a mesma estratégia: planeja fazer MBA na Universidade de Harvard.

13º - São admiráveis os dirigentes de empresas que possuem sabedoria e humildade para se relacionar bem e de forma humanizada e holística com todos – clientes e funcionários. Eles servirão de exemplo nas suas empresas. São pessoas que escutam e reconhecem o valor do trabalho de cada um. 

Para concluir, quero dividir com vocês alguma das minhas reflexões filosóficas: acredito que, na vida, o maior estímulo vem da própria jornada, sobretudo se ela tiver um sentido, um ideal e sem jamais se “apequenar”.

Creio que aprender a bem viver é necessário um privilégio e sabedoria. A morte é reflexo e consequência da vida vivida. Não nos tornamos outras pessoas no momento da nossa morte. Quem viveu bem, morre bem; quem viveu mal, morre mal. 
Sempre preferi “ser velho” por menos tempo a “ser velho” antes de sê-lo. Acredito que “velho” é aquele que supõe saber tudo, mesmo quando ainda se é jovem.

Tenho mais medo da cegueira, que me impediria de ler, do que da morte. A leitura é uma necessidade vital e os benefícios são hoje cientificamente comprovados para o cérebro e para a vida como um todo. Amplia o conhecimento, amplia o horizonte. É tão importante quanto o ar que se respira, a água que se bebe e o alimento que sustenta o corpo. 

Gosto muito de música clássica. Ouvimos música pra “nos encontrarmos” ou “nos perdermos”. A música serve como “analgésico emocional”, mas também entusiasma, emociona, estimula o amor, a saudade e a transcendência.

Considero o Mater Dei grande e pequeno. É grande para administrar, mas ainda é pequeno para atender a todos que necessitam e cuidados e de boa assistência médica. Daí a nossa opção pelo crescimento. Com o passar dos anos nos tornamos Rede Mater Dei de Saúde. A quarta unidade está sendo construída entre as cidades de Betim e Contagem. Estou certo de que várias outras unidades surgirão no futuro sempre – sempre, repito -, como resposta da diretoria para atender ás necessidade dos nossos clientes. Meus amigos: ter um ideal na vida é uma necessidade, mas também um privilégio. O ideal Mater Dei gera uma força e energia telúrica que parece nunca se esgotar. Esta força e energia telúrica estão impregnados na convicção e na crença dos enormes benefícios do exercício e da prática da medicina ética, altruísta e humana. Força e energia telúrica que contagiam os que trabalham no Mater Dei: médicos, profissionais de saúde e todos os colaboradores desde o mais humilde ao mais famoso e consagrado. 
Força e energia telúrica que impulsionava Juscelino Kubitscheck. Daí toda a sua energia criativa e determinação quando em cinco anos de governo fez 50 anos de progresso. Força e energia telúrica que me mantém de pé, ativo, atuante e com fé e esperança no Brasil. Amor e entusiasmo no coração, mesmo após completar 86 anos de idade. 

Então, para finalizar penso ser apropriada a pergunta: gente, valeu a pena? A resposta certa está mais uma vez no imortal Fernando Pessoa: “tudo vale a pena quando a alma não é pequena”.

José Salvador Silva

PARA ACESSAR A REVISTA COMPLETA, CLIQUE AQUI


Publicado em: 09/02/2018

Este conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado pelo feedback. Sua opinião nos ajuda a criar um site melhor a cada dia.

Este post é sobre Notícias institucionais

Posts Relacionados

11 Abril 2018

​Check-in online otimiza realização...

A Rede Mater Dei de Saúde agora oferece mais uma facilidade para seus pacientes: o Check-in on-line. A nova ferramenta tem como objetivo agilizar o cadastro, reduzir o tempo de espera na recepção e otimizar a chegada do paciente até a sala de realização e exames.
20 Junho 2017

Hospital Integrado do Câncer é sede...

A Rede Mater Dei de Saúde busca diariamente colaborar com ações de humanização entre os pacientes e familiares. Foi com esse intuito que, no dia 06 de junho, as crianças que passam por tratamento oncológico no Hospital Integrado do Câncer (HIC), tiveram a...
08 Março 2017

Saúde da Mulher: investimento constante

Dentre mais de quatro mil médicos na Rede, 45% é composto por mulheres. Dos mais de 2.500 colaboradores, elas já chegam a 80%. Além disso, 56% dos clientes que passaram pela Rede em 2016 são mulheres. Para elas, os investimentos em melhorias são constantes.