Miomas e infertilidade - REDE MATER DEI DE SAÚDE

Miomas e infertilidade

Os miomas uterinos, também conhecidos como fibromas ou leiomiomas, são tumores benignos  compostos por células musculares que formam a camada muscular do útero (miométrio). Ocorrem em  aproximadamente 25 a 35% das mulheres em idade fértil. Afetam a qualidade de vida das mulheres  porque são causas comuns de sangramento, dor pélvica e outros sintomas, embora possam ser  assintomáticos em até 50% dos casos. A ocorrência de sintomas está associada à localização e o número  de miomas uterinos. O diagnóstico é comumente realizado pela ultrassonografia ou ressonância  magnética. O risco de transformação maligna (câncer) dos miomas é muito baixo.

Os estudos disponíveis são controversos quanto ao possível impacto dos miomas sobre a fertilidade.  Segundo a Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM), depois de excluídas todas as outras causas, somente de 2% a 3% das infertilidades podem ser atribuídas aos efeitos dos miomas assintomáticos.

Na ausência de sintomas e de qualquer outra causa identificada de infertilidade, a remoção do mioma não está indicada, visto que o procedimento cirúrgico pode contribuir para o desenvolvimento de outros fatores de infertilidade (aderências e até obstrução das tubas uterinas). As evidências atuais corroboram para a necessidade de tratamento na presença de miomas que distorçam a porção interna do útero onde a gravidez se desenvolverá. Nas demais localizações, uma avaliação cuidadosa deverá ser realizada, levando em consideração os possíveis riscos e benefícios envolvidos. Não há evidências de que o tratamento medicamentoso aumente as taxas de fertilidade, podendo inclusive atrasar a ocorrência de gravidez, dessa forma, não se recomenda seu uso para este fim.

O impacto dos miomas sobre a gravidez também é controverso. Estima-se que os miomas estejam presentes em 4% a 5% das gestantes e que a maioria – 80% – mantenha-se do mesmo tamanho e até regrida durante a gravidez. O maior crescimento, quando acontece, ocorre no primeiro trimestre da gestação. Alguns estudos mostram que os miomas uterinos aumentam as chances de complicações durante a gravidez dependendo de sua localização.

Cerca de 30% das mulheres têm ou terão mioma uterino. A maioria delas não precisará de qualquer tratamento. Para aquelas que apresentarem alguma sintomatologia, o leque de opções terapêuticas é cada vez mais variado. O tratamento ideal clínico e/ou cirúrgico deverá ser instituído individualmente após avaliação médica criteriosa.

Centro de Reprodução Humana Mater Dei
Mater Dei Santo Agostinho – Rua Mato Grosso, 1.100 – 2º andar – 31. 3339-9495.

RESPONSÁVEL:
Márcia Mendonça Carneiro
Ginecologista do Centro de Reprodução Humana Mater Dei
CRM-MG: 27578


Publicado em: 16/11/2016

Este conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado pelo feedback. Sua opinião nos ajuda a criar um site melhor a cada dia.

Este post é sobre Cuidados com o bebê

Posts Relacionados

28 Setembro 2016

A adenomiose pode causar infertilidade?

A adenomiose é uma doença benigna caracterizada pela presença do tecido menstrual (endométrio) na camada muscular do útero (miométrio).
14 Agosto 2019

Mitos na Reprodução Humana

Todo casal que tem relação no período fértil engravida? O uso prolongado da pílula contraceptiva causa infertilidade? Muitos são as dúvidas sobre a gravidez e as causas que podem gerar a infertilidade
16 Novembro 2016

Miomas e infertilidade

O Centro de Reprodução Humana da Rede Mater Dei de Saúde é constituído com o que há de mais avançado em tecnologia de reprodução assistida.